Estudando Direito

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Notícias Nacionais PEC 37 ajudará o país no combate à corrupção

PEC 37 ajudará o país no combate à corrupção

E-mail Imprimir PDF

Objeto de inúmeras críticas e falsas interpretações por parte de promotores e procuradores de Justiça, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 37/2011) que estabelece que a apuração das infrações penais seja de competência privativa das polícias Civis e Federal será um auxílio para o país, principalmente no que diz respeito ao combate à corrupção. É o que garantem a Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol/BR) e a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF).

De autoria do deputado federal Lourival Mendes (PTdoB-MA), a PEC acrescenta um parágrafo ao artigo 144 da Constituição Federal, que trata da organização da Segurança Pública no Brasil, e deixa claro que a missão de investigar crimes é da Polícia Judiciária, ou seja, da Polícia Federal e das Polícias Civis dos Estados e a do Distrito Federal.

Defensores da PEC 37, a Adepol/BR e a ADPF elaboraram um documento público desmentindo ponto a ponto as falácias ditas pelo Ministério Público (MP) sobre a proposta de emenda à Constituição. Sob o título “10 Mentiras sobre a PEC 37. Diga Sim à PEC da Cidadania”, o documento mostra que, ao contrário do que diz o MP, não existe no ordenamento constitucional nenhuma norma expressa ou implícita que permita ao Ministério Público realizar investigação criminal. “Pelo contrário, a Constituição impede a atuação do MP ao dizer que a investigação criminal é privativa da Polícia Judiciária”, diz o documento assinado pelas duas associações.

No Brasil, funciona o sistema acusatório de investigação, ou seja, o Ministério Público oferece a denúncia e a Polícia Judiciária investiga. Até os países europeus que atualmente adotam o sistema misto de investigação estão migrando para o mesmo sistema adotado pelo Brasil. Além disso, ao contrário do que diz o MP, a PEC 37 vai de encontro com os tratados internacionais assinados pelo Brasil.

As convenções de Palermo (contra o crime organizado), de Mérida (contra a corrupção) e a das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional determinam tanto a participação do Ministério Público quanto da Polícia Judiciária no combate a esses crimes. Mas frisa que a atuação de cada um, assim como das demais autoridades, está regulada no ordenamento jurídico pátrio que não contempla a investigação criminal autônoma produzida diretamente pelos membros do Ministério Público.

Outra falsa alegação sobre a PEC 37 é a de que, com sua aprovação, a quantidade de órgãos fiscalizadores sofrerá drástica redução. De acordo com as associações, quando o Ministério Público tenta realizar investigações criminais por conta própria, ele deixa de cumprir uma de suas principais funções constitucional: o de ser fiscal da lei. Sendo assim, deixa de dar a atenção aos processos em andamento, os quais ficam esquecidos nos tribunais, para exercer um papel que não é seu.

Aliás, a Constituição Federal é taxativa ao elencar as funções e competências do Ministério Público. E fazer investigação criminal não é uma delas. “Quando o Ministério Público, agindo à margem da lei, se aventura numa investigação criminal autônoma, quem agradece é a criminalidade organizada, pois estas investigações serão anuladas pela justiça”, acreditam a Adepol/BR e a ADPF.

Além disso, o MP alega que a PEC 37 vai contra as decisões dos Tribunais Superiores, que garantem a possibilidade de investigação pelo Ministério Público. Na verdade, a matéria está sendo examinada pelo Supremo Tribunal Federal. Em seu parecer, o relator do caso, ministro Cezar Peluso, votou favoravelmente à pretensão dos delegados. Segundo ele, “a Constituição de 88 conferiu o poder de investigação penal à Polícia. A instituição que investiga não promove ação penal e a que promove a ação penal não investiga”, afirmou Peluso. O ministro Marco Aurélio Mello esclareceu: “Não imagino procurador com estrela no peito e arma na cintura para enfrentar criminosos na rua como se fosse policial”, disse.

Outras verdades sobre a PEC 37
Ao contrário do que dizem promotores e procuradores de Justiça, a PEC 37 não gera insegurança jurídica e não desorganiza o sistema de investigação criminal. Afinal, a investigação criminal feita pela Polícia Judiciária tem regras definidas por lei, além de ser controlada pelo Ministério Público e pelo Judiciário. Já no caso do Ministério Público, não há regras, controle, prazos, nem acesso à defesa. Além do mais, a atuação é arbitrária.

Sobre a alegação de que a PEC impede o trabalho cooperativo e integrado dos órgãos de investigação, as entidades esclarecem que quando cada um atua dentro dos seus limites legais, a Polícia Judiciária e o Ministério Público trabalham de forma integrada e cooperada. Mas lembram que a Polícia Judiciária cujo trabalho é isento, imparcial e está a serviço da elucidação dos fatos não está subordinada ao Ministério Público.

O Ministério Público tenta diminuir o trabalho das polícias Civis e Federal alegando não haver capacidade operacional para levar adiante todas as investigações. A Adepol/BR e a ADPF rechaçam tal afirmação e garantem que o Ministério Público não está interessado em todas as investigações, mas só os casos de potencial midiático. “É uma falácia dizer que o Ministério Público vai desafogar o trabalho das polícias”, diz o documento assinado pelas duas associações.

A PEC 37 tem o apoio unânime de todos os setores da Polícia. Para Adepol/BR e a ADPF, “quem estiver contra a PEC da Cidadania deveria ter a coragem de revelar seus reais interesses corporativos, os quais estão longe do ideal republicano. Não é possível conceber uma democracia com o Ministério Público reivindicando poderes supremos de investigar e acusar ao mesmo tempo, comprometendo, por conseguinte, o saudável equilíbrio dos poderes”.

 

Paulo Roberto D'Almeida é presidente da Associação dos Delegados de Polícia.

Share
  Newer:

Adicionar comentário

AVISO: Os comentários postados não representam a opinião do Portal Estudando Direito, mas sim, dos internautas que comentaram a notícia, e por tal opinião são responsáveis, tendo, inclusive, sua identidade virtual exposta a quem se sentir prejudicado, sem que para isso seja necessário ordem judicial.


Código de segurança
Atualizar

  • 0
  • 1
prev
next

Sexta, 10 Outubro 2014

Lá vão eles...

Em tempos de STF e tribunais brasileiros cada vez mais demorados, acompanhe esta ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

O fim das férias dos advogados na Justiça do Trabalho em tod

Por decisão do ministro João Batista Brito Pereira, corregedor-geral da Justiça do Trabalho, os Tribunais Regionais do Trabalho estão proibidos de fixarem ou prorrogarem o recesso forense. A medida foi publicada na edição de 22 ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

Multa sobre o FGTS não pode ser reduzida

A 5ª Turma do TST condenou a Visual - Locação, Serviço, Construção Civil e Mineração Ltda. a pagar integralmente a multa de 40% sobre os depósitos de FGTS a uma servente de limpeza que prestou ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

Intervalo garantido (para as mulheres)

A 5ª Turma do TST condenou a Marisa Lojas S.A. a pagar a uma empregada, como horas extras, o intervalo de 15 minutos entre a jornada normal de trabalho e o início do período extraordinário, ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

Por maioria de votos o STF (ufa!) absolve "ladrão" de galinh

Finalmente o STF, em 21/5/2014, por maioria de votos, encerrou o rumoroso processo criminal (HC nº 121.903) instaurado contra A. M. G., porque teria subtraído uma galinha e um galo de um vizinho, avaliados em ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

Não há teto único sobre pensão por morte e aposentadoria acu

A 5ª Turma do STJ definiu que “sendo legítima a acumulação de proventos de aposentadoria de servidor público com pensão por morte de cônjuge finado e também servidor público, o teto constitucional deve incidir isoladamente ...

Leia mais

Quinta, 30 Janeiro 2014

Decisão inédita julga proibição de maconha inconstitucional

No Distrito Federal, o juiz Frederico Ernesto Cardoso Maciel absolveu um homem preso em flagrante por traficar 52 trouxas de maconha. Maciel julgou inconstitucional a proibição da droga. A decisão foi publicada em outubro de ...

Leia mais

Quinta, 2 Janeiro 2014

CNJ solucionou mais processos do que recebeu em 2013

Em 2013, o CNJ concluiu número de ações maior do que a quantidade de demandas que recebeu. Segundo o balanço da movimentação processual, o órgão de fiscalização e planejamento estratégico do Poder Judiciário solucionou 7.354 ...

Leia mais

Quarta, 18 Dezembro 2013

OAB-ES é condenada por não auxiliar advogado preso

A Justiça Federal no Espírito Santo condenou a seccional capixaba da Ordem dos Advogados do Brasil a pagar indenização de R$ 150 mil por danos morais a um advogado que ficou 35 dias preso em ...

Leia mais

Quinta, 5 Dezembro 2013

Resposta masculina ao Lulu, Tubby está proibido no país

O aplicativo "Tubby", que avalia mulheres, está proibido em todo o páis. A decisão é do juiz de Direito Rinaldo Kennedy Silva, da 15ª vara Criminal de BH, que expediu liminar para impedir a disponibilização ...

Leia mais

Quinta, 5 Dezembro 2013

Prazo de cinco anos para renovação de aluguel comercial é ra

O STJ entendeu que o prazo de cinco anos é razoável para a renovação de contratos de locação não residencial. De acordo com a 3ª turma, apesar de ser levado em consideração o patrimônio imaterial ...

Leia mais

Quinta, 5 Dezembro 2013

Imóvel dado como garantia de dívida de empresa familiar é pe

Em atenção à boa-fé, o STJ entendeu ser penhorável o imóvel de família dado em garantia hipotecária de empresa familiar cujos únicos sócios são marido e mulher. Conforme entendeu por unanimidade a 3ª turma, a ...

Leia mais
Mais em: Nacionais

IP Monitorado

Você está conectado com este IP 54.81.124.198

"Doutora promotora, a senhora acha que é a ´rainha da cocada preta´"?...

O colegiado do CNJ decidiu na última terça-feira (07) pela abertura de processo administrativo... [More...]

Projeto de lei obriga renovação de procuração de advogado a cada dois anos

Projeto de lei obriga renovação de procuração de advogado a cada dois anos

O Colégio Nacional de Presidentes da OAB manifestou repúdio ao Projeto de Lei nº 7.191/2014, de... [More...]

Número de processos contra juízes no CNJ mais que dobra em 2013

Número de processos contra juízes no CNJ mais que dobra em 2013

Em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instaurou mais que o dobro de Processos... [More...]

Joaquim Barbosa oficializa saída do STF

Joaquim Barbosa oficializa saída do STF

O ministro Joaquim Barbosa oficializou na sessão plenária desta quinta-feira, 29, sua saída do... [More...]

Juiz publica fotos na praia e diz estar 'deprimido' por ganhar sem trabalhar

Juiz publica fotos na praia e diz estar 'deprimido' por ganhar sem trabalhar

São Paulo e Brasília - 'Deprimido' por receber regularmente salário de R$ 22 mil há mais de 2... [More...]

TJ do Piauí não enviou dados sobre

TJ do Piauí não enviou dados sobre "fichas-sujas" solicitados pelo CNJ

O Tribunal de Justiça do Piauí é um dos únicos do país que não responderam ao Conselho... [More...]