Estudando Direito

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte
Home Notícias Nacionais PEC 37 ajudará o país no combate à corrupção

PEC 37 ajudará o país no combate à corrupção

E-mail Imprimir PDF

Objeto de inúmeras críticas e falsas interpretações por parte de promotores e procuradores de Justiça, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC 37/2011) que estabelece que a apuração das infrações penais seja de competência privativa das polícias Civis e Federal será um auxílio para o país, principalmente no que diz respeito ao combate à corrupção. É o que garantem a Associação dos Delegados de Polícia do Brasil (Adepol/BR) e a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF).

De autoria do deputado federal Lourival Mendes (PTdoB-MA), a PEC acrescenta um parágrafo ao artigo 144 da Constituição Federal, que trata da organização da Segurança Pública no Brasil, e deixa claro que a missão de investigar crimes é da Polícia Judiciária, ou seja, da Polícia Federal e das Polícias Civis dos Estados e a do Distrito Federal.

Defensores da PEC 37, a Adepol/BR e a ADPF elaboraram um documento público desmentindo ponto a ponto as falácias ditas pelo Ministério Público (MP) sobre a proposta de emenda à Constituição. Sob o título “10 Mentiras sobre a PEC 37. Diga Sim à PEC da Cidadania”, o documento mostra que, ao contrário do que diz o MP, não existe no ordenamento constitucional nenhuma norma expressa ou implícita que permita ao Ministério Público realizar investigação criminal. “Pelo contrário, a Constituição impede a atuação do MP ao dizer que a investigação criminal é privativa da Polícia Judiciária”, diz o documento assinado pelas duas associações.

No Brasil, funciona o sistema acusatório de investigação, ou seja, o Ministério Público oferece a denúncia e a Polícia Judiciária investiga. Até os países europeus que atualmente adotam o sistema misto de investigação estão migrando para o mesmo sistema adotado pelo Brasil. Além disso, ao contrário do que diz o MP, a PEC 37 vai de encontro com os tratados internacionais assinados pelo Brasil.

As convenções de Palermo (contra o crime organizado), de Mérida (contra a corrupção) e a das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional determinam tanto a participação do Ministério Público quanto da Polícia Judiciária no combate a esses crimes. Mas frisa que a atuação de cada um, assim como das demais autoridades, está regulada no ordenamento jurídico pátrio que não contempla a investigação criminal autônoma produzida diretamente pelos membros do Ministério Público.

Outra falsa alegação sobre a PEC 37 é a de que, com sua aprovação, a quantidade de órgãos fiscalizadores sofrerá drástica redução. De acordo com as associações, quando o Ministério Público tenta realizar investigações criminais por conta própria, ele deixa de cumprir uma de suas principais funções constitucional: o de ser fiscal da lei. Sendo assim, deixa de dar a atenção aos processos em andamento, os quais ficam esquecidos nos tribunais, para exercer um papel que não é seu.

Aliás, a Constituição Federal é taxativa ao elencar as funções e competências do Ministério Público. E fazer investigação criminal não é uma delas. “Quando o Ministério Público, agindo à margem da lei, se aventura numa investigação criminal autônoma, quem agradece é a criminalidade organizada, pois estas investigações serão anuladas pela justiça”, acreditam a Adepol/BR e a ADPF.

Além disso, o MP alega que a PEC 37 vai contra as decisões dos Tribunais Superiores, que garantem a possibilidade de investigação pelo Ministério Público. Na verdade, a matéria está sendo examinada pelo Supremo Tribunal Federal. Em seu parecer, o relator do caso, ministro Cezar Peluso, votou favoravelmente à pretensão dos delegados. Segundo ele, “a Constituição de 88 conferiu o poder de investigação penal à Polícia. A instituição que investiga não promove ação penal e a que promove a ação penal não investiga”, afirmou Peluso. O ministro Marco Aurélio Mello esclareceu: “Não imagino procurador com estrela no peito e arma na cintura para enfrentar criminosos na rua como se fosse policial”, disse.

Outras verdades sobre a PEC 37
Ao contrário do que dizem promotores e procuradores de Justiça, a PEC 37 não gera insegurança jurídica e não desorganiza o sistema de investigação criminal. Afinal, a investigação criminal feita pela Polícia Judiciária tem regras definidas por lei, além de ser controlada pelo Ministério Público e pelo Judiciário. Já no caso do Ministério Público, não há regras, controle, prazos, nem acesso à defesa. Além do mais, a atuação é arbitrária.

Sobre a alegação de que a PEC impede o trabalho cooperativo e integrado dos órgãos de investigação, as entidades esclarecem que quando cada um atua dentro dos seus limites legais, a Polícia Judiciária e o Ministério Público trabalham de forma integrada e cooperada. Mas lembram que a Polícia Judiciária cujo trabalho é isento, imparcial e está a serviço da elucidação dos fatos não está subordinada ao Ministério Público.

O Ministério Público tenta diminuir o trabalho das polícias Civis e Federal alegando não haver capacidade operacional para levar adiante todas as investigações. A Adepol/BR e a ADPF rechaçam tal afirmação e garantem que o Ministério Público não está interessado em todas as investigações, mas só os casos de potencial midiático. “É uma falácia dizer que o Ministério Público vai desafogar o trabalho das polícias”, diz o documento assinado pelas duas associações.

A PEC 37 tem o apoio unânime de todos os setores da Polícia. Para Adepol/BR e a ADPF, “quem estiver contra a PEC da Cidadania deveria ter a coragem de revelar seus reais interesses corporativos, os quais estão longe do ideal republicano. Não é possível conceber uma democracia com o Ministério Público reivindicando poderes supremos de investigar e acusar ao mesmo tempo, comprometendo, por conseguinte, o saudável equilíbrio dos poderes”.

 

Paulo Roberto D'Almeida é presidente da Associação dos Delegados de Polícia.

Share
  Newer:

Adicionar comentário

AVISO: Os comentários postados não representam a opinião do Portal Estudando Direito, mas sim, dos internautas que comentaram a notícia, e por tal opinião são responsáveis, tendo, inclusive, sua identidade virtual exposta a quem se sentir prejudicado, sem que para isso seja necessário ordem judicial.


Código de segurança
Atualizar

  • 0
  • 1
prev
next

Quinta, 11 Dezembro 2014

Rejeitado HC de advogado acusado de falsificar alvarás judic

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (julgou inviável) ao Habeas Corpus (HC) 125442, no qual o advogado J.A.F. pleiteava a revogação de sua prisão preventiva decretada pela Justiça Federal do ...

Leia mais

Quinta, 11 Dezembro 2014

Reincidência não deve impedir aplicação da bagatela, afirma

O fato de o réu ser reincidente não deve, por si só, afastar a incidência do princípio da insignificância, pois causas de atipicidade da conduta não podem ser afastadas por conta de questões ligadas ao ...

Leia mais

Quinta, 11 Dezembro 2014

Comissão adia votação do projeto que revoga o Estatuto do De

A votação do projeto de lei que revoga o Estatuto do Desarmamento, prevista para ontem (10), foi adiada para quarta-feira (17) da próxima semana. Depois de mais de quatro horas de debates, obstruções e leitura ...

Leia mais

Quinta, 11 Dezembro 2014

Proposta de novo Código Penal inclui corrupção na lista de c

O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) apresentou hoje (10) à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado substitutivo ao projeto de reforma do Código Penal (PLS 236/2012). A proposta mantém pontos do substitutivo apresentado ...

Leia mais

Terça, 2 Dezembro 2014

A morte do Processo Penal Constitucional e da democracia

Estarrecido - muito embora deveria já ter me acostumado: mas eu sou ruim de me acostumar com o que não presta – leio o procurador da República Manoel Pastana legitimar uma aberração do Processo Penal: ...

Leia mais

Sexta, 14 Novembro 2014

Maioria dos TJs garante férias aos advogados em 2015

Há poucas semanas do recesso forense, ao menos 13 TJs, atendendo pleitos da advocacia, já garantiram as tão esperadas férias dos advogados, suspendendo prazos processuais logo após o recesso do final de ...

Leia mais

Sexta, 14 Novembro 2014

Dezesseis das 50 cidades mais violentas do mundo estão no Br

Trinta e quatro das piores cidades do ranking da violência estão localizadas na América Latina. Antes de escolher um destino para viajar, muitos se preocupam em conferir se o local é seguro. O Business Insider ...

Leia mais

Sexta, 14 Novembro 2014

Reformada sentença que indeferiu honorários sucumbenciais a

Uma decisão do TRF da 4ª Região derrubou dispositivo decisório de sentença proferida pela juíza Catarina Volkart Pinto, da Justiça Federal de Novo Hamburgo (RS). Ao julgar procedente uma ação ajuizada contra o INSS, a ...

Leia mais

Quarta, 12 Novembro 2014

Autoridade abusada

O movimento de solidariedade foi rápido e decisivo. Em poucos dias, mais de R$ 14 mil se arrecadaram por meio das redes sociais para que a agente de trânsito Luciana Tamburini não pagasse do próprio ...

Leia mais

Sexta, 10 Outubro 2014

Lá vão eles...

Em tempos de STF e tribunais brasileiros cada vez mais demorados, acompanhe esta ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

O fim das férias dos advogados na Justiça do Trabalho em tod

Por decisão do ministro João Batista Brito Pereira, corregedor-geral da Justiça do Trabalho, os Tribunais Regionais do Trabalho estão proibidos de fixarem ou prorrogarem o recesso forense. A medida foi publicada na edição de 22 ...

Leia mais

Sexta, 30 Maio 2014

Multa sobre o FGTS não pode ser reduzida

A 5ª Turma do TST condenou a Visual - Locação, Serviço, Construção Civil e Mineração Ltda. a pagar integralmente a multa de 40% sobre os depósitos de FGTS a uma servente de limpeza que prestou ...

Leia mais
Mais em: Nacionais

IP Monitorado

Você está conectado com este IP 54.87.89.176

Projeto de Romário torna crime a famosa “carteirada”

Projeto de Romário torna crime a famosa “carteirada”

Brasília – O deputado federal Romário (PSB-RJ) apresentou o projeto de Lei 8152/2014, nesta... [More...]

Cônjuge casado em separação de bens é herdeiro necessário

Cônjuge casado em separação de bens é herdeiro necessário

A 3ª Turma do STJ manteve decisão que reconheceu a condição de herdeira necessária à viúva... [More...]

Agente de trânsito condenada por dizer que 'juiz não é Deus' se diz enojada após nova decisão

Agente de trânsito condenada por dizer que 'juiz não é Deus' se diz enojada após nova decisão

Por unanimidade, a 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro – agora em... [More...]

Previsões sombrias: 114 milhões de processos na Justiça brasileira em 2020

Previsões sombrias: 114 milhões de processos na Justiça brasileira em 2020

O número de processos que tramitam na Justiça brasileira pode alcançar a marca de 114,5 milhões... [More...]

"Doutora promotora, a senhora acha que é a ´rainha da cocada preta´"?...

O colegiado do CNJ decidiu na última terça-feira (07) pela abertura de processo administrativo... [More...]

Projeto de lei obriga renovação de procuração de advogado a cada dois anos

Projeto de lei obriga renovação de procuração de advogado a cada dois anos

O Colégio Nacional de Presidentes da OAB manifestou repúdio ao Projeto de Lei nº 7.191/2014, de... [More...]